download (1).jpg

Rede Kunhã Asé de Mulheres na Ciência

Formação/Cursos, Prêmios/Competições, Doações, Feiras

Descrição

A Rede Kunhã Asé de Mulheres na Ciência objetiva debater a disparidade de gênero nas ciências e oferecer soluções pragmáticas para a baixa representatividade das mulheres na ciência e suas interseccionalidades. O nome da rede significa mulher de poder ou mulher poderosa, sendo uma mistura do Guarani (kunhã, que significa mulher) e do Yorubá (asé, que significa poder). A escolha do nome visa homenagear os povos da floresta e o povo negro, historicamente oprimidos e subrepresentados na ciência. Desta forma, o nome visa refletir, mais uma vez, a preocupação da rede com interseccionalidade e com a representatividade não apenas da mulher, mas de todas as mulheres na ciência.

Histórico

A Rede Kunhã Asé de Mulheres na Ciência (RKA) surgiu em 2019 a partir da inquietude de quatro pesquisadoras do Instituto de Biologia da UFBA (IBIO) que, diante das suas vivências pessoais e profissionais, questionaram-se sobre a inequidade de gênero em diferentes escalas no meio acadêmico. Desde então, a RKA vem desenvolvendo ações que visam promover a entrada e permanência de mulheres e grupos subrepresentados no ambiente acadêmico, combatendo assim o chamado vazamento de duto (isto é, quando pessoas de grupos subrepresentado acabam desistindo da carreira acadêmica devido à pressões e discriminações na academia). Nossas ações vão desde eventos em escolas públicas buscando despertar o interesse de meninas nas carreiras acadêmicas (grupo de trabalho SEMEAR); passando por ações voltadas a promover a permanência de mulheres e grupos subrepresentados no ambiente acadêmico ao longo da sua formação (GT GERMINAR); rodas de conversa com mulheres em posição de liderança para promover o debate em nível institucional (GT FLORESCER); discussões acerca das diferentes formas de opressão e como elas se somam na carreira academica de mulheres pertencentes a outros grupos subrepresentados (GT TRANSCENDER); até o estabelecimento de um diálogo entre mães cientistas visando a construção de uma rede de apoio e a elaboração de estratégias para garantir a sua permanência na academia (GT MATERNAR).

Equipe envolvida

Atualmente temos cerca de 80 mulheres atuando no âmbito da rede. A rede tem uma estrutura organizacional horizontal, onde o trabalho desenvolvido é voluntário e orgânico. Cada participante da rede doa seu tempo da maneira que for possível, de modo a respeitar suas necessidades e limitações. Temos hoje 13 grupos de trabalho, dentre eles os GTs norteadores (Semear, Germinar, Florescer, Transcender e Maternar), os GTs de ação (Pesquisa, Divulgação, Políticas Institucionais), os GTs de apoio (Formação Interna, Teias Afetivas, Ações Solidárias) e os GTs de suporte (GT Financeiro, GT de Loja).

Instituição Relacionada

Atualmente a rede encontra-se em processo de se tornar uma Associação sem fins lucrativos. Enquanto isso, se enquadra como projeto de extensão na UFBA.

Beneficiários

Universidades, Escolas/Faculdades/Institutos, Institutos Públicos, Grupos de Pesquisa & Desenvolvimento locais, Pesquisadores e Professores Universitários, Estudantes, Indivíduos, Mulheres (exclusivamente), Populações Indígenas e Comunidades Locais, Pessoas com Deficiência, Minorias, Profissionais/Doutores

Objetivos de Igualdade de Gênero do SAGA Unesco Relacionados

1.1 Promover a conscientização e superar preconceitos de gênero não-conscientes e culturais amplamente expressados como estereótipos de gênero, entre cientistas, educadores, formuladores de políticas públicas, instituições de pesquisa, mídia e o público em geral.

 

1.2 Promover visibilidade de mulheres com qualificação em STEM e em carreira em STEM, especialmente em posições de liderança nos governos, empresas, universidades e instituições de pesquisa.

 

1.3 Tornar comum as perspectivas de gêneros nas comunicações científicas e em atividades formais e informais de educação em STEM, incluindo em centros de ciência e museus.

 

2.1 Promover vocações de Ciência e Tecnologia para garotas e jovens mulheres, incluindo através da estimulação do interesse, fomentando conhecimento profundo sobre desafios de carreira em Ciência & Engenharia e apresentando pessoas que sejam exemplos de casos de sucesso.

 

2.2 Tornar comum a perspectiva de gênero em conteúdos educacionais (treinamentos de professores, currículo, métodos pedagógicos e material de ensino).

 

2.3 Promover abordagens pedagógicas ao ensino de STEM que sejam sensíveis à questão de gênero, incluindo encorajar o treinamento práticos e experimentos.

 

2.4 Promover um equilíbrio em termos de gênero entre os professores de STEM.

 

2.5 Promover igualdade de gênero nas transições da escola para o trabalho nas áreas de STEM.

 

3.1 Promover acesso e atrair as mulheres para o ensino superior (incluindo Mestrados e Doutorados), inclusive através de bolsas de estudos e prêmios específicos.

 

3.2 Prevenir preconceitos de gênero nos processos de admissão de estudantes e de ajuda financeira.

 

3.3 Promover a retenção de mulheres na educação superior de STEM em todos os níveis, inclusive através de orientação sensível à questão de gênero, oficinas e redes.

 

3.4 Prevenir discriminação baseada em gênero e assédio sexual em todos os níveis, incluindo Mestrado e Doutorado.

 

4.1 Garantir igualdade de gênero no acesso à oportunidades de emprego, critérios e processos de recrutamento.

 

4.2 Promover condições igualitárias de trabalho, dentre outras: igualdade de gênero em remuneração, prevenção ao preconceito de gênero nos critérios de avaliação de performance (incluindo medições de produtividade), prover proteção e segurança adequadas no trabalho de campo, políticas e procedimentos de prevenção ao assédio sexual.

 

4.3 Garantir igualdade de gênero no acesso às oportunidades no local de trabalho: treinamento e conferências; grupos de pesquisa, redes (nacionais e internacionais), painéis de especialistas e grupos consultivos; processos de submissão de publicações e patentes, incluindo a prevenção de preconceitos em revisões; incentivos financeiros e não financeiros; reconhecimento, recompensas e prêmios.

 

4.4 Promover o equilíbrio vida-trabalho através de, dentre outros: infraestrutura para cuidado com crianças (p.ex.: creches); hora de trabalho flexível; redução e redistribuição do trabalho não remunerado de cuidado e tarefas do lar; licença familiar para ambos os pais; mecanismos para reentrada no mercado de trabalho de Ciência & Tecnologia após interrupção na carreira ou licença familiar.

 

4.5 Promover igualdade de gênero na mobilidade internacional de pós-doutoras e pesquisadoras e facilitar o retorno das mulheres.

 

4.6 Promover um equilíbrio de gênero em posições de liderança em ocupações de Ciência & Tecnologia (incluindo tomadores de decisão e pesquisa).

 

4.7 Promover transformações de instituições e organizações de Ciência, Tecnologia e Inovação (estrutura, governança, políticas, normas e valores).

 

4.8 Garantir igualdade de gênero em certificações profissionais de Ciência & Engenharia, em particular em engenharia.

 

5.1 Estabelecer programas de Pesquisa & Desenvolvimento especificamente orientados à gênero, incluindo pesquisa sobre gênero em STEM e sobr a dimensão de gênero do portfolio e agenda de pesquisa do país.

 

5.2 Incorporar dimensões de gênero na avaliação de projetos de Pesquisa & Desenvolvimento.

 

5.3 Promover a análise sensível à questão de gênero em hipóteses de pesquisa e consideração do sexo de objetos de pesquisa.

5.4 Promover disseminação e comunicação científica responsiva e sensível à questão de gênero, incluindo através de centros científicos e museus, jornalismo científico, conferências específicas, oficinas e publicações.

 

6.1 Garantir o balanço de gênero em grupos (tomadores de decisão, comitês consultivos, grupos de especialistas, etc.) responsáveis pelo projeto de políticas públicas em STEM em: políticas educacionais, políticas para o ensino superior, políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação, políticas econômicas, políticas sobre a força de trabalho e políticas internacionais ou ligadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

 

6.2 Garantir a ampla discussão da questão de gênero e a priorização da igualdade de gênero no projeto, monitoramento e avaliação de políticas de STEM em: políticas educacionais, políticas para o ensino superior, políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação, políticas econômicas, políticas sobre a força de trabalho e políticas internacionais ou ligadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

 

7.4 Garantir o acesso das mulheres à mentoria e participação no projeto e implementação de treinamento sensível às questões de gênero em empreendedorismo, gestão da inovação e direitos de propriedade intelectual.

 

7.6 Promover abordagens de inovação que considerem a questão de gênero.

 

7.7 Promover incentivos externos e reconhecimento para inovação conduzida por mulheres e aceitação de mulheres inovadoras na sociedade.

 

7.9 Promover uma força de trabalho que respeite o balanço de gênero e oportunidades iguais em empresas start-ups.

ODSs Relacionados

Objetivo 4. Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.

 

Objetivo 5. Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas

Apoio

Edital interno para projetos de extensão da UFBA, para o desenvolvimento de uma ação na Escola Municipal Miguel Arraes, na região metropolitana da cidade de Salvador, Bahia.

Período de Funcionamento

Desde 2019

Abrangência

Nacional

Contatos

Site:

Instagram:

@kunhaase

Facebook:

@kunhaase

LinkedIn:

Outros:

-

E-mail:

Telefone:

-

Endereço:

-